Partilhando leituras

Livros sobre Caldas da Rainha, Rainha D. Leonor, Bordalo Pinheiro, caricaturas,

cerâmicas, gatos e algo mais...

segunda-feira, 30 de abril de 2007

28.ª Página Caldense

Relatório sobre o Caminho de Ferro das Caldas
à Foz do Arelho
e Iluminação Eléctrica das Caldas da Rainha
Sobre estudos do engenheiro Tigueiros de Martel

Considerações Gerais

"A 10 kilómetros de distância das Caldas da Rainha há uma lindíssima praia denominada a Foz do Arelho. N´uma situação única no país, junto da lagoa d'Óbidos de margens encantadoras muito ricas em caça. Goza do privilégio excepcional de oferecer aos banhistas a escolha entre a onda forte do Oceano e o remanso da lagoa que comunica largamente com o mar e cuja água é portanto salgada e límpida.

A lagoa é muito piscosa prestando-se admiravelmente ao desenvolvimento d'esse sport bem como à cannotage, regatas, natação, etc. apresentando uma área de cerca de 4 kilometros quadrados.

O pitoresco da lagoa com os seus braços caprichosos, o aprazível das suas margens, os pontos de vista, o vasto horizonte marítimo, os pinhais, a proximidade das excelentes Termas das Caldas da Rainha cujas águas sulfúricas dão óptimos resultados nos tratamentos do reumatismo, gota, etc., devem necessariamente atrair a esta região muitos turistas, valetudinarios etc., bem como os capitais para construção de vilas e chalets se entre esta praia e as Caldas houver um meio de transporte rápido, cómodo e económico."[...]


[Dimensão 15 x 22 cms. 21 páginas numeradas + capas. Imprensa Africana, Rua de S. Julião, 58 e 60 - Lisboa. Data de Edição: 1904.]

27.ª Página Caldense

Caldas da Rainha (Portugal)
Eaux Sulfureuses * Centre de Tourisme * D'art et d'Histoire
1934

"A estância termal das Caldas da Rainha é das mais importantes de Portugal. O seu balneário, instalado dentro de uma pequena cidade duns 8 mil habitantes, a cerca de 100 quilómetros de Lisboa, a que a ligam comboios cómodos e excelentes estradas, é enorme e com boas instalações, estando a sofrer grandes modificações que o vão tornar um dos melhores balneários de águas sulfurosas que se conhecem."[...]







«Assinaturas do Provedor do Hospital e dos engenheiros que dirigiram a reconstrução por ordem do rei D. João V, num documento existente no arquivo do Balneário.» [Página 14]









[Folheto com as dimensões de 16 x 23 cms. 24 páginas numeradas + capas. Texto bilingue: Português-Francês. 19 imagens. Impresso na Tipografia Caldense, Caldas da Rainha]

Café Literário

Lídia Jorge
Café Literário - 27 de Abril de 2007

domingo, 29 de abril de 2007

26.ª Página Caldense

ASSOCIAÇÃO DE PROPAGANDA E DEFESA DOS INTERESSES DAS CALDAS
Informador dos Amigos e Visitantes das Caldas da Rainha
Caldas da Rainha de Portugal


A CIDADE DE CALDAS DA RAINHA FAZ 20 ANOS

"Em 1927, o Governo elevou, por decreto, a vila de Caldas da Rainha à categoria de cidade, reconhecendo desse modo o esforço progressivo dos caldenses e as qualidades duma terra que, pelo seu comércio, pela sua agricultura, pelo seu valor termal e turístico, obteve sem dificuldade, esse justo galardão.

Caldas da Rainha ascendeu, assim, e mui justamente, ao lugar de única cidade da Estremadura, que hoje é, depois de Lisboa, capital do Império, e de Setúbal, cabeça de distrito.

A plêiade e homens que, para a consecução desse objectivo tanto contribuiu, e aos que, sucedendo-lhe têm sabido mante-la em tão honrosa categoria. Caldas tributa, reconhecida, uma homenagem e uma gratidão bem merecidas, e recorda a união de todos os caldenses que, isenta de perniciosos parcialismos, foi a grande razão de ser da decisão do Governo.

Em 1947, vinte anos depois, Caldas da Rainha, outra vez unida, vai comemorar, condignamente, a data de 26 de Agosto e espera que, como em 1927, uma nova fase da sua vida se inicie, ainda mais fortemente progressiva e cada vez mais digna da brilhante posição que o povo caldense para si soube conquistar."


[Folheto de 2000 exemplares, impresso na Minerva Caldense em 1974. Dimensões: 13,80 x 21,00 cm. Tem a particularidade de as suas páginas serem aparadas em recorte. Impresso a castanho, texto e imagens. Incluí 25 páginas de publicidade, num total de 50 páginas não numeradas.]

Breve Pausa


"Criei-me entre livros, fazendo amigos invisíveis em páginas que se desfaziam em pó e cujo cheiro ainda conservo nas mãos."
Riuz Zafón
A Sombra do Vento, Publicações Dom Quixote
1.ª Edição, 2004
ISBN 972-20-3230-5

25.ª Página Caldense

CALDAS DA RAINHA
(Roteiro-Guia)
Edição da GAZETA DAS CALDAS", 1926



******
"Se um dia Portugal for feito em torresmos por um sol de rachar, será nas Caldas da Rainha que escaparão os raras sobreviventes destinados a levar ao futuro a notícia de que existiu neste mundo uma raça que se chamou portuguesa."

Pinheiro Chagas

******
"A linda vida das Caldas da Rainha é o centro da vilegiatura que em Portugal mais se parece com as terras francesas e alemãs."


Ramalho Ortigão
******
"É a estância mais frequentada do país."


Dr. Tenreiro Sarzedas
*****
"O clima das Caldas é muito agradável . A sua temperatura média durante a estação balnear é de 20.º."


Dr. Alfredo Luiz Lopes


[Impresso na Tipografia Caldense - Rua José Malhoa, 9 e 11 - é publicado pela Gazeta das Caldas, Jornal Regionalista, cujo director é António Leitão. Folheto de 13,80 x 22 cms. Capa com uma cor. Inclui um mapa desdobrável. Contem 16 imagens a preto e branco e uma página de extra-texto reproduzindo o quadro de José Malhoa, "Rainha D. Leonor de Lencastre".]

sábado, 28 de abril de 2007

24.º Página Caldense

Caldas da Rainha

"Quem não conhece esta linda e acolhedora cidade, rica de atractivos, dotada pela Natureza com todas as condições de agrado?!

Autêntico caleidoscópio, variando a cada instante de motivos que nos prendem, que nos cativam, que nunca mais nos esquecem e, pelo contrário, recordamos a cada instante, com saudade.

Por curiosidade, experimentem dobrar pelo meio, um mapa de Portugal e verão que a linha dessa dobra passa pelas Caldas da Rainha.

Caldas da Rainha é portanto, o centro, o «Coração de Portugal», o ponto ideal para base das vossas Férias, seja qual for o prisma porque encaremos o problema.



«Centro da mais artística e da mais pitoresca região de todo o País», como afirmava Ramalho Ortigão, é também o único recanto de uma frescura aprazível, quando a canícula esbraseia todo o resto da Península.

Estância «Chic» desde sempre, onde os Reis tinham o seu Palácio de Verão, por aqui passaram quase todos, desde D. Leonor, sua Fundadora, até D. Manuel II.

As velhas árvores da Mata e do Parque ocultaram muita aventura galante e muita intriga política.

Muitos Reis deixaram vincada a sua passagem, com melhoramentos no balneário e na cidade, destacando-se dentre eles, o Rei Magnânimo que restaurou o Balneário e construiu o actual edifício da Câmara e os chafarizes.

Da quietude repousante dos velhos plátanos e ulmeiros, do perfume das suas tílias, da poesia do seu Lago esverdeado, emoldurado de choupos e chorões, em cujas águas deslizam, em promiscuidade, lado a lado, os barcos de recreio e os cisnes, majestosos, dum branco imaculado, todos vos podem falar." [...]

[Folheto com seis páginas em harmónio. 12 imagens coloridas, sendo 3 assinadas por Leonel Cardoso e datadas de 1970. Sem indicação de responsável de edição. Sem data. Dimensão: 12,50 x 18,00 cms.]

23.ª Página Caldense

A LOUÇA DAS CALDAS
Publicação feita por um grupo de amigos de
Rafael Bordalo Pinheiro








Dedicatória na folha de rosto:



"Ao seu Amigo José António de Freitas, o seu amigo muito agradecido, Rafael Bordalo Pinheiro, Lisboa, Outubro de 1899"






"Se algum importante acontecimento deve assinalar a história da arte portuguesa no presente século, é ele por certo o vigoroso impulso dado à cerâmica pelo talento de Rafael Bordalo Pinheiro." [...]

[Folheto com 24 páginas numeradas + capas. Dimensão: 11,50 x 17,00 cms. Impresso na Typ. da Companha Nacional Editora, Largo do Conde Barão, 50 - Lisboa. Data de edição: 1899]

quinta-feira, 26 de abril de 2007

Breve Pausa

"Mulheres e livros, história de uma afinidade secreta."

Laure Adler




A escrita é uma paixão violenta e quase indestrutível."

Georges Sand

quarta-feira, 25 de abril de 2007

22.ª Página Caldense

Almanaque de Caricaturas
2.º Ano - 1875

Rafael Bordalo Pinheiro


[Almanque com 64 páginas numeradas, sendo a capa a cores. Formato: 14,20 x 20,60 cms. Edição da Livraria Editora - Praça de D. Pedro V - n.º 68, Lisboa. Preço 200 Réis]

[Páginas 20 e 21]

21.ª Página Caldense

Portugal Amordaçado
Depoimentos sobre os anos do fascismo
Mário Soares
Editora Arcádia - 1.ª Edição em português 1974

[1942]

“À noite, sem luz (a Foz do Arelho não tinha ainda luz eléctrica nem água canalizada), íamos à escola oficial onde o professor primário tinha o único rádio da terra, ouvir às escondidas a B.B.C. Nesse tempo, ouvir a B.B.C. era um crime de lesa-majestade, que comportava sérios riscos… Crime, aliás que todo o Portugal cometia!

Não resisto a referir um pormenor dessa escola: tinha sido construída num estilo neo-clássico, de gosto muito duvidoso, pelo velho Grandela, republicano dos quatro costados, dos tempos heróicos da Propaganda, que havia feito da Foz do Arelho seu feudo, até com o arremedo de um castelo pseudo-medieval, onde hoje se encontra – sinal dos tempos! – instalada a F.N.A.T.

Na sala de aula, por determinação do doador, existia um grande painel de azulejo, alusivo à implantação da República, exibindo alguns dos seus grandes vultos e, entre eles, Afonso Costa.

Durante a guerra de Espanha, fora completamente picado e destruído pelos fascistas das Caldas da Rainha que não podiam sofrer que perdurasse semelhante desaforo a perturbar a inocência das criancinhas! O professor primário, todos os dias, nos mostrava a parede, apontando o vazio deixado pelo painel - vexatório sinal da derrota na nossa guerra...

A Foz do Arelho era uma praia pacata, com umas escassas dúzias de veraneantes certos, que se conheciam todos, ao menos de vista. Lá estavam sempre presentes, cada ano, o meu mais tarde colega, Paradela de Oliveira, fadista de estilo coimbrão, de privilegiada garganta; o médico de Vila Franca, dr. Jana, que havia estado preso «in illo tempore», a família Maldonado Freitas, que mantinha galhardamente, na região, a legitimidade republicana e anticlerical; e alguns mais...

No lado oposto - separado por um fosso moral intransponível, vera imagem do País dividido! - estavam certas famílias ditas «bem», os Almeida Araújo, os Cazal Ribeiro, os Paiva, fidalgotes por linha bastarda, feminina, de quem a maior parte dos camponeses da região continua a ser foreira, e, ainda, um pequeno grupo de jovens nefelibatas, muito beatos mas de audaciosas concepções (para a época!) em outras matérias a que pertenciam o Constantino Varela Cid, o poeta Ruy Cinatti e José Venâncio Paulo Rodrigues que anos depois seria Subsecretário da Presidência, a «lapiseira de Salazar»!
[...]
Mário Soares
[Páginas 31, 32 e 33]

20.ª Página Caldense

Galeria Republicana
Editor e Proprietário: João José Batista
Director: Magalhães Lima
Colaboradores: Augusto Rocha, Alexandre da Conceição, Alves da Veiga, António Furtado, Anselmo Xavier, B. Machado, Costa Goodophim, Gomes Leal, G. Benevides, José J. Nunes, J.M. Latino Coelho, Reis Dâmaso, Rodrigues de Freitas, Silva Graça, Silva Lisboa, Teixeira Bastos, Teófilo Braga, Trigueiros de Martel
Fotografias de António Maria Serra
Número 11 – Junho de 1882 – 1.º Ano

Rafael Bordalo Pinheiro


"O Século, folha republicana, que tenho a honra de dirigir desde o primeiro número, apreciando não há muito ainda, a poderosíssima organização de Rafael Bordalo Pinheiro, escrevia o seguinte:

“Assim como na banalidade politica portuguesa há a figura grotesca e eco de Arrobas, o tigre, no jornalismo peninsular há figura eminentemente viva, original e cintilante de Bordalo Pinheiro, um artista, que vale um exército, um propagandista que vale uma revolução. Bordalo Pinheiro é para a sociedade portuguesa contemporânea o que Tácito foi para o império romano, quer dizer, o seu cronista mais justo e mais indignado. Há no poderoso temperamento deste artista a nota alta e vibrante, que faz lembrar as cóleras de Danton e a eloquência de Vergniaud. È assombroso e é único.

“Cada caricatura deste artista é um grito de revolta contra a conspiração secular do espírito monárquico – fradesco, que fez de Portugal esta nação mole e incaracterística, sem vida, e sem alma, que aí anda à matroca no grande mar da civilização europeia, sem rumo e sem individualidade. Bordalo Pinheiro vinga-nos de toda a esta espantosa decadência, demonstrando quotidianamente, pelas cintilações do seu génio artístico, o que pode ser para a elevação da alma d’um povo um espírito vigoroso e fecundo.

“Bordalo Pinheiro é como artista um revolucionário e como revolucionário um criador.

Com a transcrição destas linhas, quero de antemão, significar aos que me leram que não é meu intuito desenhar aqui o perfil literário de Bordalo pinheiro, mas unicamente criticá-lo sob o ponto de vista revolucionário e demolidor. Será essa a minha missão como homem politico que sou, e é esse também, em meu juízo, o alvo a que certamente mira a Galeria Republicana: - aproveitar dos biografados tudo quanto eles têm produzido de útil e de salutar em favor do ideal moderno, isto é, em favor da justiça e da democracia.

Bordalo Pinheiro e, acima de tudo, um republicano. As suas obras são justamente colossais, pela verdade que encerram e pelo ideal que as inspira. Podia Bordalo Pinheiro ser um sectário ferrenho do monarquismo ou do clericalismo; os seus trabalhos haviam porém, de ressentir-se naturalmente de uma falsa noção de arte, como falsa e mentirosa é também a doutrina monárquica e clerical; o seu génio amortecia irremessivelmente, e a sua faculdade inventiva estiolaria, sem dúvida, à mingua de seiva e de vibração cerebral.

Considerando-se assim, o nosso intento é evidentemente prestar uma homenagem decidida e sincera ao primeiro demolidor português e ao mais ardente e terrível propagandista dos princípios democráticos entre nós.

Insistamos na frase acima transcrita, porque nunca se perde em insistir na verdade: “Bordalo Pinheiro é como artista revolucionário e como revolucionário um criador”.


Data do Calcanhar de Aquiles a celebridade de Bordalo, como o único e já agora inimitável criador da caricatura em Portugal. Na sociedade Portuguesa o seu lugar é perfeitamente correspondente aos ocupados no estrangeiro por Cham, por Gill, por Ortego, por Henry Monier, por Cruiskshand. Em abono da verdade, seja-nos licito notar que, relativamente ao meio, em que vive é a escassez de elementos estéticos, que o rodeiam, Bordalo é superior a qualquer dos supra mencionados artistas, não só pela delicadeza do traço como pela exactidão dos desenhos, não só pela concepção, perfeitamente genial, que preside a todas as suas obras arrojadíssimas, como elo ideal de justiça e de verdade que, em tudo e por tudo, transparece nos seus trabalhos monumentais.

“Depois de alguns meses de correrias artísticas por terras de Espanha – refere conceituadamente o seu inseparável e único companheiro, Guilherme Azevedo – adormecendo ao som de malagueñas e acordando ao ruído das fuziladas, Bordalo Pinheiro volta a Lisboa e desenha então A Lanterna Mágica em que as suas supremas qualidades de caricatura se acentuam definitivamente.

“Da mesma forma que Henry Monier criada em França, dando-lhe formas lineares, sensíveis, o tipo de Joseph Prudhomme, a encarnação do espírito constitucional e burguês da França, Rafael Bordalo cria na lanterna Mágica, o Zé-Povinho, a representação simbólica da ingenuidade lorpa da sua terra.

“Isto é, Bordalo Pinheiro, achara, como um supremo artista, a fórmula exacta, representativa do estado social e político de Portugal, da mesma forma que Henry Monier, achara a da França”.

Da vastíssima galeria de tipos, criados e iluminados pelo lápis cintilante e sempre fecundo de Bordalo Pinheiro, é seguramente Zé-Povinho, um ingénuo, um eterno explorado pela corrupção monárquica e clerical do nosso tempo, o tipo mais completo e mais bem acabado. Zé-Povinho, na sua encarnação lorpa e boçal, não é apenas uma figura qualquer, feita para despertar o riso e a gargalhada das multidões. Longe d’isso, ele por si personifica uma sociedade aviltada pela opressão dos grandes e dos poderosos em que o abuso é lei, a imortalidade norma de vida, e a ignorância e a miséria o único fim dos governos, quer há perto de sessenta anos nos tem espoliado e escravizado em proveito da cúria romana ou do estrangeiro.

Bordalo Pinheiro, criando este admirável tipo, fazendo girar todos os acontecimentos nacionais em redor d’um personagem, tão profundo de verdade como generoso e grande nas intenções e no espírito, provocou por si a anarquia no existente e proclamou bizarramente o realismo na arte e a dignidade na politica.

É por isso que o António Maria e o Álbum das Glórias, são hoje das publicações mais notáveis do mundo – precisamente porque representam uma obra justa, uma obra verdadeira, uma obra humanitária, uma obra de emancipação política e social. E por isso é também, que o povo – a grande massa produtora e trabalhadora por excelência – consagra a Bordalo pinheiro a mais viva simpatia e o mais desinteressado entusiasmo – precisamente porque ele é apostolo sincero de uma causa santa, e porque é o campeão audacioso dos seus direitos ultrajados e das suas liberdades escarnecidas. Mais tarde, quando a história, no seu juízo recto e inflexível, tomar conta d’esta época, há-de apurarem Rafael Bordalo Pinheiro uma consciência altiva, um espírito soberano, que soube compreender, identificando-se com eles, o ideal dos que sofrem e a aspiração dos que anseiam por um reinado de luz e de bem estar social. E nem mais é preciso para a imortalidade de um artista ante a história e ante a consciência humana! Bordalo Pinheiro conseguiu já o que a poucos tem sido dado conseguir na vida –o ser um imortal perante as gerações presentes e futuras!...

A caricatura no desenho, como a ironia na literatura, como a opera cómica no teatro é perfeitamente do nosso meio e do nosso tempo. Rafael Bordalo é, sobretudo, um artista de uma actualidade palpitante; vivo, rápido; originalíssimo na conversação, amando por igual o imprevisto e o extraordinário, de uma dedicação única, como amigo e como companheiro. É um intransigente, que procura satisfazer a sua consciência, pondo procura satisfazer à sua consciência, pondo invariavelmente de parte os seus interesses e as suas conveniências pessoais. Foi por isso que no Brasil não fez fortuna, e é por isso que em parte alguma do mundo logrará fazê-la, estou convencido.

Impressionável por temperamento, como todo o artista, há nele todavia um traço que o caracteriza salientemente – a compreensão nítida dos seus deveres, como homem e como revolucionário. Para Bordalo, assim como para nós outros, os republicanos, há princípios que se defendem e injustiças que se combatem. E neste sentido, por tal forma ele tem preenchido a sua missão na sociedade portuguesa que conseguiu já ser um homem temido e perigosíssimo, o máximo a que se pode aspirar num pais, bestializado pelo fanatismo religioso e nunca assaz explorado pelos comilões do orçamento monárquico…

Muito ao correr da pena ai fica um dos traços fisionómicos deste grande revolucionário, deste eminente artista, tal e qual o fantasiámos na nossa humildade politica. Não nos pertence a nós certamente o encará-lo por outro lado diverso do que aquele por que o fizemos nesta ligeira apresentação. Escritores abalizados se têm ocupado d’ele com respeitosa admiração. Pertence a história de todos os povos. O que d’ele se tem escrito é nada, relativamente ao que do seu extraordinário trabalho está ainda por escrever.

No dia 13 do corrente mês faz três anos que O António Maria, o valente soldado da revolução portuguesa, saiu pela primeira vez à luz da publicidade. Cabe-nos deste modo a honra de enviar d’aqui d’envolta com a nossa saudade profundíssima por Guilherme de Azevedo, um cronista inimitável e um amigo nunca esquecido, as nossas mais ardentes felicitações ao nosso querido amigo, ao grande e benemérito artista Rafael Bordalo pinheiro. – Que ele as recebe tão sinceras, como sincera é a admiração que lhe consagramos."
Magalhães Lima


[Este texto apresentado a 3 colunas, ocupa a página de rosto e a segunda página. Colocado a meio da página de rosto, uma fotografia de Rafael Bordalo Pinheiro, colada. Cada número deste jornal – dos que nos foi dado consultar – anos de 1882 – 1.º ano e 1883 – 2.º ano, é composto por quatro páginas, todas elas com uma cercadura rectangular que apresenta aos cantos elementos de fantasia decorativa. Dimensão: 25 x 33 cms. Nos exemplares consultados existe uma página de rosto anual para cada ano.]

19.ª Página Caldense

Caldas da Rainha
Rainha das Termas de Portugal

Estância termal * Águas Sulfúreas-calcárias * Arte e História
* Centro de Turismo * Belezas Naturais

"Se há terra em Portugal cuja fama corra de norte a sul, seguindo a costa e os rios, galgando os montes e penetrando nas aldeias mais escondidas, deixando por toda a parte gratidão e a lembrança de bons dias passados; se há vila que seja conhecida nos recantos das mais afastadas províncias, deixando ignoradas outras vilas e cidades; se há estância balnear que encontre fiéis espalhados por uma área que não conhece fronteiras e se estende através dos mares, essa terra são as Caldas da Rainha.

Talvez não haja em Portugal muitas freguesias donde não tenha vindo ao menos uma pessoa banhar-se nas suas águas sulfúreas, aproveitando as regalias que a fundadora do balneário, a Rainha D. Leonor de Lencastre, estabeleceu com o seu Compromisso, e que, desde o século XV têem tornado as Caldas da Rainha o centro da cura onde convergem os reumáticos, os encatarrados, os doentes de pele, que de toda a parte vêem aqui procurar a cura que noutros lados não conseguem." [...]

[Pequeno folheto com as dimensões de 12,30 x 15,80 cms. Fotografias dos Ateliers Marques Abreu. Impresso na Avenida Rodrigues de Freitas, 310 - Porto (Imprensa Marques da Silva Lda). Data de Edição 1927. 62 Páginas numeradas + 14 páginas de anúncios.Capa Impressa a cores.]

18.ª Página Caldense

Caldas da Rainha
A mais frequentada estância balnear de Portugal
Centro de Turismo Incomparável

"A circunstância porém que dá às Caldas da Rainha a sua grande superioridade sobre todos os lugares de vilegiatura, ainda os mais afamados em Portugal, como Sintra, como o Bussaco, como o Bom Jesus de Braga é que esta vila é o centro da mais artística, da mais pitoresca região de todo o País."
Ramalho Ortigão

[Pequeno folheto com as dimensões de 12 x 20 cms. 14 páginas numeradas. Capa impressa a azul. 12 imagens. Impresso na Tipografia Caldense, em Caldas da Rainha. Editado em 1933]

17.ª Página Caldense




Caldas da Rainha

(Distribuição gratuita)

J. A. Ferreira Madail

Typ. da Empresa da História de Portugal

1909






"A Vila"

"Origem - Os grandes privilégios concedidos aos colonos deram os naturais resultados, e a par do hospital, fundou-se a vila.

Foi pois o Hospital Real no núcleo fundamental da povoação; à sombra d'ele vieram as primeiras trinta famílias que no local se fixaram durante a construção do edifício, à sombra dele medrou e cresceu a vila, e vive ainda hoje uma grande parte dos seus habitantes.

Em volta do hospital evolveram-se os primeiros lineamentos da povoação: d'ali irradiou e alastrou depois; lentamente, passo a passo, ao princípio e até à construção da linha férrea do Oeste, que a serve, e muito mais rapidamente, depois.

Hoje conta 4.639 habitantes.

A primeira rua foi denominada a Rua Nova e tinha começo junto ao hospital, no largo da Copa, hoje Largo Rainha D. Leonor.

As primeiras casas foram edificadas em terrenos pertencentes ao hospital e dados de aforamento aos colonos.

Esta rua já hoje não tem, infelizmente, a mesma denominação.

E digo infelizmente porque nunca as vantagens da mudança d´estas nomenclaturas compensam os grandes inconvenientes a que muitas vezes dão lugar.

Por isso entendo que não devem ser alteradas, a menos que para tal militem ponderosas razões, e nunca quando sejam elementos curiosos para a história das povoações.

Estão neste caso as primeiras ruas que se traçaram e onde viveram os primitivos habitantes.

A povoação assim criada, recebeu o título simplesmente de Vila."


[Pequeno livro com as dimensões de 11,50 x 18 cms, 72 páginas numeradas, incluindo 21 imagens. O tema é tratado em 3 capítulos: Hospital Real / A Vila / Arredores. Mapa incluído no final do texto.]

16.ª Página Caldense







Crítica de Circunstância

Luiz Pacheco

Editora Ulisseia

Colecção Vária, n.º 6

1.ª Edição, 1966

“O CACHECOL DO ARTISTA”





[…]"O ARTISTA PRECISA DE UM CACHECOL

Pode ser que conheças, Leitor, qualquer artista na necessidade: não o desampares, muito especialmente por estes dias de Inverno. E não conhecendo, e querendo, não faças cerimónia: manda o que quiseres.

Aceitamos tudo:

Dinheiro, cigarros, fatiota, roupas de cama, mercearias, BACALHAU, brinquedos, livros, esferográficas, papel de máquina, vitaminas, uma corneta (para eu tocar num dia que cá sei), viagens pelo continente, estadias em casas de muito sossego, garrafas de vinho, revistas com nus (são para mim), um casaco de abafar (é para a minha senhora), pastéis de nata, salsichas, passas e nozes, tâmaras, um osso com tutano para o caldo da Gèninha, lâminas de barba, o perdão das nossas dívidas, uma assinatura do Jornal de Letras e Artes (minha leitura predilecta), bolo-rei, bolsa da Gulbenkian (proposta: uma biografia de Bocage), uma caixa de bombons, passarinhos assados, orelheira de porco, latas de conserva (gostamos de qualquer marca), etc., etc., etc.

O Artista agradecido
Luiz Pacheco

Sua casa: R. RAPHAEL BORDALLO PINHEIRO n.º 2, r/c – CALDAS DA RAINHA”

[Página 144]

Esta informação foi recolhida de um exemplar cedido pelo amigo Jaime Neves. Os meus agradecimentos.

____________________

Comentários:

Maria disse...
Luiz Pacheco e outros Luises daí de Caldas (ou que estão em Caldas) - frequentadores do Café Central e, nas noites de convívio, do Inferno d'Azenha...Algumas das criancinhas de que ele fala conheci-as na barriga da mãe...
26 de Abril de 2007 20:07

terça-feira, 24 de abril de 2007

Festa na Rua

Antecipámos a celebração do Dia Mundial do Livro para sábado, dia 21.

Na nossa "Esplanada Literária", reunimos vários autores caldenses.

Neste dia, que é também o dos Direitos de Autor - 11 autores da escrita e da imagem - deram-nos o prazer da sua companhia
Historiadores, ficcionistas, poetas, fotógrafos, contistas, conviveram sob um quente sol de primavera.
Na companhia de Cristina Horta, Hugo Marques, Isabel Gouveia, Isabel Xavier, João B. Serra, João Norte, José do Carmo Francisco, Margarida Araújo, Mário Tavares, Paulo Ferreira Borges, Teresa Perdigão e Vasco Trancoso, mais uma vez, partilhámos letras com a cidade.

__________________________________________________

Em simultâneo, na rua decorria festa, promovida por um grupo de comerciantes.


Gil Vicente, escritor de mil palavras, dava rosas (preferencialmente vermelhas).

D. Leonor, a Rainha das Caldas, oferecia "beijinhos".

Cavaleiras/os, cujo patrono é S. Jorge, evoluíam em passos galantes;
Por um dia a cidade transfigurou-se. Fez-se festa. Desfrutou-se a rua. Viveu-se a cidade.

__________________________________

"Agora direis que sou doido com as coisas da minha terra. Assim é, senhores, eu o confesso."
Cavaleiro de Oliveira

segunda-feira, 23 de abril de 2007

quinta-feira, 19 de abril de 2007

Os Direitos Inalienáveis do Leitor

1
O Direito de não Ler
2
O Direito de Saltar Páginas
3
O Direito de não Acabar Um Livro
4
O Direito de Reler
5
O Direito de Ler não Importa o Quê
6
O Direito de Amar os Heróis dos Romances
7
O Direito de Ler não Importa Onde
8
O Direito de Saltar de Livro em Livro
9
O Direito de Ler em Voz Alta
10
O Direito de Não Falar no que se Leu

[Daniel Pennac - Como Um Romance
Edições Asa, ISBN 972-41-2969-1]

quarta-feira, 18 de abril de 2007

15.ª Página Caldense

CAVACOS DAS CALDAS
Caldas da Rainha, 15 de Julho de 1897 - N.º 24
Publicação semanal

[...]
"Nem menos de 5 negociantes turcos se acham temporariamente aqui estabelecidos, fazendo concorrência ao comércio e industria caldenses.

Esses comerciantes e industria lamentam-se, chorando-se pelos prejuízos que sofrem com aquela concorrência, e mais nada.

Quem é que diz lá que se unem para evitar os seus próprios males?

E tudo assim caminha nas Caldas. Nós já tivemos o supino atrevimento de lembrar um alvitre de reconhecido proveito, quando praticado. Mas hão-de ver que ninguém se mexe e por fim tudo se limitará a exclamar:

Gememos contribuições?
Dá-nos isso certo abalo?
Talvez não venham p'ro ano,
Nada de pressas, deixá-lo.

Também não nos cansamos mais. Para que sermos mais papistas que o próprio papa?"
[Páginas 7 e 8]
__________________________________________________
O Sexteto do Maestro Gaspar

"Continua a abrilhantar os bailes do club, com aplauso geral. É variado e lindíssimo o seu reportório, como sempre magnificamente executado sob a regência do maestro Gaspar, um dos mais provados talentos musicais portugueses.

Os trechos de música que todas as noites o sexteto nos faz ouvir, têm todos a nota musical mais em evidência ou celebrada; nesse número compreenderemos excertos das mais aplaudidas zarzuelas que este inverno passado se cantaram em Lisboa e são adaptadas para sexteto pelo seu distinto regente.

Um bravo ao notável maestro Gaspar e ao seu sexteto e que lá de quando em quando, por entre a música selecta ou d'ópera sempre bem recebida, que não esqueça:

Solo, solo um pedacito
De música que sem audácia
Arranque a um certo compadre
Olé, que viva la gracia.

Os bailes do club não têm lá estado muito animados.

Abundância de senhoras e muitíssima falta de rapazes valsistas.

Durante o dia os nossos hospedes limitam-se a ter como distracções balneares de todos os dias, o mesmo parque, com os mesmos botes no lago e mais coisa nenhuma.

Isto vai muito bonito
Sério e requebrandinho
Vai tudo às mil maravilhas
As Caldas vai de carrinho.

E a D. Iniciativa
Muito e muito descansada
Três vezes nove vinte e sete
Já se vê noves fora nada.

Lá que as Caldas em progresso
Mostra ser um belo facho
Não há dúvida, mas em paga
A sua formosa estação
Ir-se-há p'la água abaixo."

[Páginas 10 e 11]

[Preço avulso: 20 Réis - Editor: Gomes d'Avellar - Impressão: Imprensa moderna Santos & Moreira - Campo de Santa Clara, 144/146 - Lisboa - N.º de Páginas: 16 numeradas + capa em papel de cor - Dimensão: 12,50 x 18,50 cms]

»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»

[Cavacos das Caldas é publicado entre 1896 e 1898. José Gomes de Avelar, politico, jornalista e ceramista é o seu editor e proprietário. Assina com o nome de Belisário. A capa desta pequena brochura reproduz uma ilustração da autoria de Rafael Bordalo Pinheiro: Zé Povinho e José Gomes de Avelar em alegre cavaqueira.

Gomes de Avelar é o proprietário de uma fábrica de cerâmica, onde Bordalo faz as suas primeiras experiências com o barro caldense.]

Mia Couto - Prémio União Latina

MIA COUTO - 17 DE DEZEMBRO DE 2001 - LOJA 107
(na companhia do gato Gil Vicente)

Parabéns Mia.

O Prémio União Latina, foi hoje conferido ao escritor moçambicano Mia Couto.

14.ª Página Caldense

PLANO DA VILA DAS CALDAS FEITO NO ANNO DE 1742
EM QUE EL-REY NOSSO SENHOR FOI TOMAR O REMÉDIO DOS BANHOS

"Lista das principais pessoas q acompanharão a S. S. Mag.es e Altezas na jornada das Caldas com a demarcação das ruas, e cazas em q assistião".

1 - Porta do Paço del Rey, do Príncipe, e dos Senhores Infantes D. Pedro, e D. Ant.º = Cazas do Dr. Antonio Morª. de Lima, e outras.
2 - Communicação de ambos os Paços.
3 - Porta do Paço da Rainha, N. Srª. e Priceza do Brazil.
4 - Caminho do Coche em q El Rey vai pª o Banho.
5 - Caza feita de novo pª El Rey entrar no banho.
6 - O Exm.º Cardeal da Cunha
7 - O Exm.º Cardeal da Mota com os 3 Secretr.ºs de Estado...
8 - O Duque Estribrº mor...
9 - O Marques Mordomo mor...
10 - O Marques de Marialva...
11 - O Marques de Abantes
12 - O Conde de Unhão
13 - O Conde Baráo
14 - O Conde Apozentador mor...
15 - O Conde de Alvor
16 - O Estribrº mor da Rainha N. Sr.ª D. Diogo de Menezes
17 - O Bisconde de Ponte de Lima
18 - Luis Cezar de Men.es...
19 - D. Aff.º de Noronha
20 - O Conde da ponte...
21 - Ayres de Saldanha...
22 - o R.mº Reformador no Hospício dos P. P.es Arrabidos.
23 - Os R.mºs P. P.es Confessores de S. S. Magestades e Altezas...
24 - o R.mº P.e Confeçor da Rainha N. S...
25 - Caza da Neve = a de Mariana de S.ª no Terreirinho.
26 - O Portr.º da camara de S. Mag.e e Estribr. menor da Rainha N. Sr.ª João X.er da Silva...
27 - O Port.º da Camara da Rainha N. Sr.ª João da S.ª Machado...
28 - O Goarda Damas M.el Viegas...
29 - Caet.º de Andr.e João Lucas de Barros...
30 - Niculao da Cunha M.el e Fr.cº de Andr. e Corvo mossos da goarda roupa de S. Mg.e
31 - João Pedro Ludovice - cazas de João Cravr.º no Rocio
32 - Off.es da Secretaria e portr.º
33 - B.ttº X.er Secretr.º do Ex.tº
34 - O Portr.º das Damas com dois Repostr.os
35 - O P.e Ant.º da S.ª e Pedro da Silv.ª
36 - Pedro Ant.º virgolino, e M.el Loppes da Silv.ª
37 - Dous acolitos p.ª as missas
38 - O Medico da Rainha N. Sr.ª
39 - O Medico de Ser.mº S.r Inf.e D. Ant.º
40 - O Boticario da R.ª n. S.rª
41 - Felix Per.ª Cirurgião
42 - M.el Vieira e outro Companhr.º
43 - O Boticario Del Rey
44 - Seis reposteir.ºs
45 - Mais reposteir.ºs
46 - Mais reposteir.ºs
47 - Armadores e Tapec.rºs
48 - Sevadr.º
49 - O Pad.rº da Rainha N.S.
50 - Mantieiro
51 - o Ben.dº Ant.º Baptista e o P.e Thomas Feyo
52 - Bernardo de Olivr.ª seu Irmão e outros criados
53 - Pª Mantearia , cozinha, oxarias e criados pertencentes a ella.
54 - Mossos da Prata
55 - Mossos da Cadr.ª da Princeza N. S.rª
56 - Assentistas
57 - Pª hu March.te e asouge
58 - Almotace mor...
59 - Os Medicos de S. Mag.e, e o Cirurgião Ant.º Soarez
60 - Pª o R.mº de Alcobaça...
61 - O Dez.º Duarte Salter de Mendonça...
62 - Apozentadores da Corte...

Ruas, praças, igrejas, etc - «Rua nova - Largo do Spirito S.tº - Hospital - Cadea - Fonte - Banhos - N. S.rª do Populo - Volta dos Sinos - Sitio da Caza Real em que assistio a Raynha Fundadora - Rua da Caza Real - Rua da Calçada da Raynha - Praça Velha - Terreiro das gralhas - N. S.rª do Rozario - Rua direita - Rua de Oliveira - Rua dos fornos - Rocio - Encanam.tº da Sahida da agoa dos banhos - Estrada de Obidos - Rua do jogo da bola - Cruz do jogo da bola - Rua do Cabo da Vila - Cruz do Cabo da Vª»
«anno de 1742»

[Autor: João Pedro Ludovice (?) Arquitecto - Fonte: Catálogo da Colecção de Desenhos - Autor: Ayres de Carvalho - Edição: Presidência do Conselho de Ministros / Secretaria de estado da Cultura / Direcção Geral do Património Cultural - Ano de Edição: 1977, Lisboa]


terça-feira, 17 de abril de 2007

Rosas para o Dia Mundial do Livro - Quadras de Fernando Pessoa

Rosa verde, rosa verde...
Rosa verde é coisa que há ?
É uma coisa que se perde
Quando a gente não está lá...

Trazes a rosa na mão
E colheste-a distraída...
E que é do meu coração
Que colheste mais sabida ?

Tens uma rosa na mão,
Não sei se é para me dar.
As rosas que tens na cara
Essas sabes tu guardar...

Levas uma rosa ao peito
E tens um andar que é teu...
Antes tivesses o jeito
De amar alguém, que sou eu.

A rosa que se não colhe
Nem por isso tem mais vida.
Ninguém há que te não olhe
Que te não queira colhida.

Roseiral que não dá rosas
Senão quando as rosas vêm,
Há muito que são formosas
Sem que o amor lhes vá bem.

Dona Rosa, Dona Rosa,
De que roseira é que vem,
Que não tem senão espinhos
Para quem só lhe quer bem?

Dona Rosa, Dona Rosa,
Quando eras inda botão
Disseram-te alguma coisa
De a flor não ter coração?

Floriu a roseira toda
Com as rosas de trepar...
Tua cabeça anda à roda
Mas sabes-te equilibrar.



Fernando Pessoa

[Fernando Pessoa, Quadras,
Edição de Luísa Freire,
Assírio & Alvim,
ISBN972-37-0646-6]

domingo, 15 de abril de 2007

Livros com História

Será que sabe ?

  • Em que data foi assinado o Compromisso do Hospital?
  • De quando é a gravura que mostra o Hospital meses antes do início da reconstrução do edifício?
  • Quando é que foi inaugurado o Hospital de Santo Isidoro?
  • Quando faleceu Rodrigo Berquó?
  • Quando é que nasceu Rafael Bordalo Pinheiro?
  • Qual a data da carta régia de D. Manuel instituindo a Vila das Caldas?

[Actual Rua Heróis da Grande Guerra]

Durante os mêses de Abril e Maio a Loja 107 promove a divulgação de obras sobre a história das Caldas da Rainha, denominada LIVROS COM HISTÓRIA.

São mais de 70 títulos, relacionados com a história da nossa cidade/região e/ou sobre personalidades relacionadas. Não esquecemos as obras ficcionadas.

Começando pela clássica obra de Jorge de S. Paulo "O Hospital das Caldas das Caldas da Rainha até ao ano de 1656", passando (entre muito mais) à “Introdução à História das Caldas da Rainha” de João B. Serra, às “Noticias interessantes da Real Vila das Caldas” de autor anónimo, à biografia da “Rainha D. Leonor” do Conde de Sabugosa, ao “Calcanhar de Aquiles” de Bordalo Pinheiro, à “Cerâmica Portuguesa e Outros Estudos” de José Queirós, à “Viagem a Portugal” de José Saramago, até à “Senhora das Tempestades” de Manuel Alegre, nunca até então tinha sido reunido um tão significativo número de obras subordinada ao tema caldense.


partilhamos leituras com cidade

sábado, 14 de abril de 2007

13.ª Página Caldense

[...]"O filho da porteira chama-se Artur, um nome mais idoso que ele, contemporâneo do olho. Artur, não sei porquê, lembra-me as cavacas das Caldas da Rainha."


[SEGUNDO LIVRO DE CRÓNICAS
António Lobo Antunes
Dom Quixote, 1.ª edição
Outubro de 2002, Pág. 74
Crónica: Sugestões para o lar]




António Lobo Antunes - Café Literário, Loja 107

17 de Novembro de 2006



Para o António com amor.

Isabel



[12 de Abril, de 2007, dia da publicação da Crónica do Hospital, na revista Visão]



quinta-feira, 12 de abril de 2007

12:ª Página Caldense


Artistas Célebres
Rafael Bordalo Pinheiro


"Dez anos são decorridos desde que a morte ceifou em Rafael Bordalo Pinheiro o mais genial artista português do século XIX, e a sua perda, hoje tão sentida como no primeiro dia desse luto nacional, é cada vez mais irreparável, mais comovedora, mais pungente.

Bordalo Pinheiro era a constituição artística mais completa, mais extraordinária, mais sublime. O seu lápis prodigioso, incomparável, deixou milhares de provas imorredoiras dum talento inconfundível. Um traço bastava-lhe para afirmar um grandioso rasgo de génio. Como, ao sairem-lhe da concepção privilegiada, se admiravam então as suas caricaturas primorosas, admitindo-se hoje e há-de a posterioridade admirá-las, porque todas elas, vincando um facto, gravando uma impressão, revestem, a mais do seu cunho de instantâneo, uma actualidade permanente, que só a Arte, na surpresa dos seus mais recônditos, tem o poder de garantir.

Tais foram as obras primas do Bordalo, que só obras primas deixou. A sua memória triunfará dos século, enquanto as belas artes forem a pedra de toque da civilização humana. Ele mesmo vive em cada uma das suas produções monumentais, que hão-de servir de pedestal ao glorioso padrão do preito público, neste momento em via de perpetuar, materializando-a no bronze, a sua insigne e gigantesca figura.

Pela nossa parte, fazemos os mais ardentes votos porque se não faça esperar essa justíssima consagração que a pátria portuguesa prepara a Bordalo pinheiro, que tanto a engrandeceu e honrou."


Enciclopédia das Famílias, Revista Ilustrada de Instucção e Recreio, 29.º Ano
N.º 338 - Fevereiro de 1915
Editor: Manuel Lucas Torres, Rua Diário de Notícias, 93 - Lisboa

[Folheto com 160 páginas + capa em papel de côr;
dimensões: 11,50x 17 cms]

11.ª Página Caldense

O NOVENTA E TREZ
JORNAL DE COMBATE
N.º 139 - 29 de Julho de 1884 - 3.º Ano

Cabeçalho assinado por Rafael Bordalo Pinheiro

"Agora que a estação calmosa acarreta um grande número de lisbonenses a ir procurar na anemidade das praias e dos campo, refúgio contra o calor e monotonia da cidade, é conveniente indicar aos emigrantes as casa que melhor hospitalidade lhe oferecem.

Por isso, recomendamos, nas Caldas da Rainha uma casa particular na Rua dos Fornos 28, aonde se alugam magníficos quartos com as melhores acomodações."

[2.ª página, a meio da terceira coluna]

quarta-feira, 11 de abril de 2007

Dia Mundial do Livro e dos Direitos de Autor - 23 de Abril



O DIA MUNDIAL DO LIVRO E DO DIREITO DE AUTOR é comemorado, desde 1996, por decisão da UNESCO, a 23 de Abril.

Dia de S. Jorge, esta data foi escolhida para honrar a velha tradição catalã segundo a qual, neste dia, os cavaleiros oferecem às suas damas UMA ROSA VERMELHA DE SÃO JORGE (Saint Jordi) e recebem em troca, UM LIVRO.
Nesta mesma data é prestada homenagem à obra de grandes escritores: Shakespeare e Cervantes, falecidos em 1616, exactamente a 23 de Abril.
Tendo em atenção:
- que é entre nos que se encontra o único espaço com memória das representações dos autos Vicentinos, foi na na Igreja de Nossa Senhora do Pópulo que Gil Vicente, pela primeira vez, representou perante a Rainha, o AUTO DE S. MARTINHO, em 1504;

- que em 1495, foi impresso em Lisboa, VITA CHRISTI, a mando da Rainha D. Leonor, considerado a primeira obra em língua portuguesa impressa em Lisboa pelo processo tipográfico;

podemo-nos orgulhar que da nossa memória colectiva fazem parte pequenos apontamentos da história do livro em Portugal.

Vamos festejar o Dia Mundial do Livro e dos Direitos de Autor, proporcionando o encontro entre os autores caldenses e os seus leitores.

Antecipamos 2 dias a festa, e no próximo sábado - dia 21 (entre as 11,00 e as 13,00) na nossa Esplanada Literária acolhemos escritores e leitores, num convívio centrado no "Livro, discreto amigo, que sempre fala ou se cala conforme eu lhe peça", nas palavras de Calderón de la Barca.

mais uma vez partilharemos leituras com a cidade

1.ª Agenda Cultural


AGENDA CULTURAL - ABRIL DE 2007


Café Literário: dia 13 de Abril (sexta-feira)
Horas: 21.00 H
Local: Café Pópulos, Parque D. Carlos I
Autor Convidado: PEDRO QUERIDO
Apresentação do livro: Folha em Branco [Corpos Editora]


"Não percebia o que havia de extraordinário naquele cenário: falava sozinha? Não falamos todos? Falamos todos. É sabido que falamos sozinhos (os atletas em momentos cruciais falam para eles mesmos, para se acalmarem), mas nem sempre o exteriorizamos em articulações labiais e sons familiares; a isso gostamos de chamar "pensar", mas no fundo, é falar sozinho."




___________________________________________________


Café Literário: dia 20 de Abril (sexta-feira)
Horas: 21,30 H
Local: Café Pópulos, Parque D. Carlos I
Autor Convidado: Francisco Moita Flores
Apresentação do livro: A Fúria das Vinhas [Casa das Letras]



"Quem subir ao alto de Vargelas ficará com a certeza de que chegou ao ponto mais belo do céu. O Douro visto daquele píncaro é o Paraíso prometido em todas as lições de catequese. É grandiosamente belo! As montanhas entrelaçam-se, magníficas, para, de repente, se escancararem em vales matizados em toda a paleta de verdes e castanhos que Deus inventou. E pelas encostas, as quintas vão pintalgando de branco o silêncio majestoso por onde o Rio serpenteia."


_____________________________________________

Café Literário: dia 27 de Abril (sexta-feira)
Horas: 21,30 H
Local: Café Pópulos, Parque D. Carlos I
Autor Convidado: Lídia Jorge
Apresentação do livro: Combateremos a Sombra [Dom Quixote]


"Deveríamos rir-nos da fragilidade da memória, ou pelo menos sorrirmos das artimanhas do seu esquecimento. Na verdade, decorridos três anos depois da passagem do Milénio, se nos perguntarem o que sucedeu durante essa noite que então tomámos por memorável, pouco mais do que a figura sideral de um fogo-de-artifício em forma de chuva de estrelas a cair sobre o estuário de um rio nos virá à mente. E no entanto, a vida não se passou bem assim."



Contamos consigo