Partilhando leituras

Livros sobre Caldas da Rainha, Rainha D. Leonor, Bordalo Pinheiro, caricaturas,

cerâmicas, gatos e algo mais...

quarta-feira, 25 de abril de 2007

21.ª Página Caldense

Portugal Amordaçado
Depoimentos sobre os anos do fascismo
Mário Soares
Editora Arcádia - 1.ª Edição em português 1974

[1942]

“À noite, sem luz (a Foz do Arelho não tinha ainda luz eléctrica nem água canalizada), íamos à escola oficial onde o professor primário tinha o único rádio da terra, ouvir às escondidas a B.B.C. Nesse tempo, ouvir a B.B.C. era um crime de lesa-majestade, que comportava sérios riscos… Crime, aliás que todo o Portugal cometia!

Não resisto a referir um pormenor dessa escola: tinha sido construída num estilo neo-clássico, de gosto muito duvidoso, pelo velho Grandela, republicano dos quatro costados, dos tempos heróicos da Propaganda, que havia feito da Foz do Arelho seu feudo, até com o arremedo de um castelo pseudo-medieval, onde hoje se encontra – sinal dos tempos! – instalada a F.N.A.T.

Na sala de aula, por determinação do doador, existia um grande painel de azulejo, alusivo à implantação da República, exibindo alguns dos seus grandes vultos e, entre eles, Afonso Costa.

Durante a guerra de Espanha, fora completamente picado e destruído pelos fascistas das Caldas da Rainha que não podiam sofrer que perdurasse semelhante desaforo a perturbar a inocência das criancinhas! O professor primário, todos os dias, nos mostrava a parede, apontando o vazio deixado pelo painel - vexatório sinal da derrota na nossa guerra...

A Foz do Arelho era uma praia pacata, com umas escassas dúzias de veraneantes certos, que se conheciam todos, ao menos de vista. Lá estavam sempre presentes, cada ano, o meu mais tarde colega, Paradela de Oliveira, fadista de estilo coimbrão, de privilegiada garganta; o médico de Vila Franca, dr. Jana, que havia estado preso «in illo tempore», a família Maldonado Freitas, que mantinha galhardamente, na região, a legitimidade republicana e anticlerical; e alguns mais...

No lado oposto - separado por um fosso moral intransponível, vera imagem do País dividido! - estavam certas famílias ditas «bem», os Almeida Araújo, os Cazal Ribeiro, os Paiva, fidalgotes por linha bastarda, feminina, de quem a maior parte dos camponeses da região continua a ser foreira, e, ainda, um pequeno grupo de jovens nefelibatas, muito beatos mas de audaciosas concepções (para a época!) em outras matérias a que pertenciam o Constantino Varela Cid, o poeta Ruy Cinatti e José Venâncio Paulo Rodrigues que anos depois seria Subsecretário da Presidência, a «lapiseira de Salazar»!
[...]
Mário Soares
[Páginas 31, 32 e 33]

Sem comentários: