CAVACOS DAS CALDAS II

DICIONÁRIO GRÁFICO BORDALIANO

alguns livros, cerâmicas, belos gatos e algo mais...



quinta-feira, 12 de abril de 2007

12:ª Página Caldense


Artistas Célebres
Rafael Bordalo Pinheiro


"Dez anos são decorridos desde que a morte ceifou em Rafael Bordalo Pinheiro o mais genial artista português do século XIX, e a sua perda, hoje tão sentida como no primeiro dia desse luto nacional, é cada vez mais irreparável, mais comovedora, mais pungente.

Bordalo Pinheiro era a constituição artística mais completa, mais extraordinária, mais sublime. O seu lápis prodigioso, incomparável, deixou milhares de provas imorredoiras dum talento inconfundível. Um traço bastava-lhe para afirmar um grandioso rasgo de génio. Como, ao sairem-lhe da concepção privilegiada, se admiravam então as suas caricaturas primorosas, admitindo-se hoje e há-de a posterioridade admirá-las, porque todas elas, vincando um facto, gravando uma impressão, revestem, a mais do seu cunho de instantâneo, uma actualidade permanente, que só a Arte, na surpresa dos seus mais recônditos, tem o poder de garantir.

Tais foram as obras primas do Bordalo, que só obras primas deixou. A sua memória triunfará dos século, enquanto as belas artes forem a pedra de toque da civilização humana. Ele mesmo vive em cada uma das suas produções monumentais, que hão-de servir de pedestal ao glorioso padrão do preito público, neste momento em via de perpetuar, materializando-a no bronze, a sua insigne e gigantesca figura.

Pela nossa parte, fazemos os mais ardentes votos porque se não faça esperar essa justíssima consagração que a pátria portuguesa prepara a Bordalo pinheiro, que tanto a engrandeceu e honrou."


Enciclopédia das Famílias, Revista Ilustrada de Instucção e Recreio, 29.º Ano
N.º 338 - Fevereiro de 1915
Editor: Manuel Lucas Torres, Rua Diário de Notícias, 93 - Lisboa

[Folheto com 160 páginas + capa em papel de côr;
dimensões: 11,50x 17 cms]

Sem comentários: