CAVACOS DAS CALDAS II

DICIONÁRIO GRÁFICO BORDALIANO

alguns livros, cerâmicas, belos gatos e algo mais...



quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Reis Magos

Uma mesa de plástico, branca
junto da tarde que morre
e renasce por pequenas paixões
de repente estávamos sozinhos
as ilhas mais inacessíveis
agora que escureceu
o menor desejo teria um sentido delicado
os olhos velozes de um gato
viam coisas belas
lado a lado com os homens
pareciam quase não ter sofrido.

a mesa estava encostada às janelas do café
e nós de forma desolada
ignorados, aturdidos, de passagem
não muito mais

procuro desse facto uma versão
que me não conduzia à inconfidência
era uma mesa lisa, branca
uma razão soletrava ao acaso
a medida soberana do incerto

olhos velozes de um gato os teus
olhos


Nicolau Tolentino Mendonça

Baldios
Nicolau Tolentino Mendonça
Assìrio & Alvim
1.ª Edição, Setembro de 1999

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

sábado, 18 de dezembro de 2010

Parabéns Hélia Correia

Pémio Literário Fundação Inês de Castro, 4.ª Edição
Adoecer
Hélia Correia
Relógio d´Água
Hélia Correia com o Gato Gil Vicente nas Caldas da Rainha em 1996

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Onde se fala de livros ...

Bibliotecas Cheias de Fantasmas
Jacques Bonnet
Quetzal

"Depois do prazer de possuir livros, não há outro que seja mais doce do que falar deles."
Charles Nodier
***
"Uns gostam de cavalos, outros de animais selvagens, eu, desde a infância, fui tomado pelo prodigioso desejo de adquirir, de possuir livros."
Imperador Juliano
***
"Fantasma: Folha ou cartão que se coloca no lugar de um livro tirado de uma prateleira de biblioteca, de um documento que foi emprestado."
Petit Larousse

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Zés Povinho, Matronas Republicanas e gatos desesperados ...

A Cerâmica Portuguesa da Monarquia à República
Museu Nacional do Azulejo
Catálogo de Exposição
19 de Outubro de 2010 a 13 de Fevereiro de 2011
Zé Povinho - Paliteiro
Caldas da Rainha (?)
Cabeça da República - Caixa
J. Arroja
Caldas da Rainha
Zé Povinho - Paliteiro
José Francisco de Sousa
Caldas da Rainha
Zé Povinho - transportando cesta com duas cabeças
José Alves da Cunha Sucessores
Caldas da Rainha
Zé Povinho - Cinzeiro
Rafael Bordalo Pinheiro
Caldas da Rainha
Zé Povinho
Costa Mota Sobrinho
Caldas da Rainha

Zé Povinho e Maria da Paciência - Tinteiro
Rafael Bordalo Pinheiro
Caldas da Rainha
Zé Povinho - Paliteiro
José Francisco de Sousa
Caldas da Rainha
Rapaz com Gato - Busto
Rafael Bordalo Pinheiro
Caldas da Rainha
Zé Povinho - Caixa
Rafael Bordalo Pinheiro
Caldas da Rainha Zé Povinho abraça a República
José Alves da Cunha Sucessores
Caldas da Rainha

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Como Hei-de Encher Este Espaço?





Como hei-de encher este espaço?
Alunos da ArteIlimitada no Museu Bordalo Pinheiro
Exposição de Pintura e Desenho

Inauguração
16 de Dezembro, pelas 19h00

Galeria do Museu Rafael Bordalo Pinheiro
Campo Grande, 382 - Lisboa
Exposição patente de 17 de Dezembro 2010
a 13 de Fevereiro 2011

Horário
Terça-feira a Domingo, das 10h às 18h
Encerra à Segunda-Feira e Feriados
Entrada Gratuita

A ArteIlimitada, Escola de Artes Visuais, apresenta trabalhos dos seus alunos na galeria de exposições temporárias do Museu Bordalo Pinheiro.

Esta mostra, concebida em colaboração directa com o Museu, tem por estímulo a reflexão sobre a obra e a figura de Bordalo Pinheiro e a sua pertinência assenta na contemporaneidade e abrangência da obra multifacetada e prolífera deste artista.

Os trabalhos expostos foram criados tendo como pretexto e ponto de partida a colecção do Museu e são apresentados em confronto com peças escolhidas de Bordalo Pinheiro, com as quais estabelecem diálogos mais directos ou mais transversais, de acordo com a diversidade de linguagens e de propostas aqui dadas a ver.

Galeria do Museu Bordalo Pinheiro - Campo Grande, 382 - Tel. 21 817 06 71
Para mais informações e imagens - Isabel Aguilar - Tel. 21 817 06 62 - Email: isabel.aguilar@cm-lisboa.pt

Os Makavenkos

Memórias e Receitas Culinárias dos Makavenkos
Francisco de Almeida Grandella
Colares Editora
Prefácio de Anabela Natário

Página 72
"Máximas dos Makavenkos
[...]
Zela pelas coisas municipais, porque são também tuas.

Não deixes danificar as paredes e os muros, consentindo que lhe escrevam e as sujem.
[…]
Ama o teu país e sobre tudo a tua linda cidade de Lisboa. Evita por isso sujá-la e que os mais a sujem."
[...]
Será que em 1919, Almeida Grandella escreveu estas máximas a pensar nas Caldas da Rainha?...