CAVACOS DAS CALDAS II

DICIONÁRIO GRÁFICO BORDALIANO

alguns livros, cerâmicas, belos gatos e algo mais...



segunda-feira, 7 de janeiro de 2008

Luiz Pacheco 1925 - 2008

COMUNIDADE
LUIZ PACHECO
desenhos de MAR

"Estendo o pé e toco com o calcanhar numa bochecha de carne macia e morna; viro-me para o lado esquerdo, de costas para a luz do candeeiro, e bafeja-me um hálito calmo e suave; faço um gesto ao acaso no escuro e a mão, involuntária tenaz de dedos, pulso, sangue latejante, descai-me sobre um seio morno nu ou numa cabecita de bebé, com um tufo de penugem preta no cocuruto da careca, a moleirinha latejante; respiramos na boca uns dos outros, trocamos pernas e abraços, bafos suor uns com os outros, uns pelos outros, tão aconchegados, tão embrulhados e enleados num mesmo calor como se as nossas veias e artérias transportassem o mesmo sangue girando, palpitassem compassadamente silenciosamente duma igual vivificante seiva." [...]

Exemplar n.º 87 de 150 exemplares numerados e assinados pelos autores

[Comunidade - Autor: Luiz Pacheco. Desenhos de: mar. Editor: Forja, Dezembro de 1985. Da presente edição os primeiros cento e cinquenta exemplares vão numerados de 1 a 150, vão numerados de 1 a 150, vão assinados pelos autores e incluem na portada um extratexto.]

3 comentários:

Margarida Araújo disse...

Escrevi este para a Gazeta. Acho que é do teu agrado:

“Dormira, decerto. Um longo sono cansado. Como um gato, um vadio de um gato, saíra pelos campos fora, correndo parando dormindo por ruas e escadas, portas e telhados, descera andara perdera-se é possível, vadiara feliz ou infeliz – como um gato.”
(Luiz Pacheco, Exercícios de Estilo, Editorial Estampa, Lisboa, 1971, livro que comprei nesse ano e que me custou 70 paus!)

Isabel Castanheira disse...

Obrigada, Margarida. Não restam dúvidas: onde há um escritor, há de certeza um gato. E há também os escritores-gato e os gatos-escritores.
Seria o Pacheco um gato escritor ou um escritor gato? Ou simplesmente um escritor que por vezes se sentia tratado como um gato vadio?
Isabel

Maria disse...

Arrepiei-me com a parte da "comunidade" que escreveste (lembro-me tão bem dessa época...)
Depois li o comentário da Margarida e fui ver de que data era o meu Exercícios de estilo, e é igual, da Estampa, 1971.
Ao lado deste tirei "Crítica de circunstância", com dedicatória do Luiz Pacheco em 21/7/66, e outra do Jaime Salazar Sampaio a quem o livro é dedicado (nem me lembrava desta dedicatória).. Meu deus, como estou antiga....

Obrigada por esta emoção, Isabel.