CAVACOS DAS CALDAS II

DICIONÁRIO GRÁFICO BORDALIANO

alguns livros, cerâmicas, belos gatos e algo mais...



domingo, 9 de setembro de 2007

142.º Página Caldense

ACONTECER POESIA
LUIS ROSA BRUNO

"O Parque é um tesoiro ..."


"Vulgar moldura ... casario tristonho,
Ao fundo a Mata, num perfil tristonho,
O Parque ao meio, assim guardado e posto,
Bucólico sossego, do meu gosto ...

E algo que flutua, é no ar,
Que é leve, diferente, singular,
No sol tão claro, só de luz na cor
Doce que tudo tem, e no frescor ...
E é tão simples, isto ... Destes plátanos

Guardam segredos as caladas sombras ...
E, mais além, num lago circular,
Uma ilha florida e uma ponte,
Patos de neve, em ronda, a navegar
Sobre azuis, brancos, malhados, vermelhos
Peixes alegres, às voltas, a bailar ...

E há meninos rindo ... Se disserem
Haver melhor, eu ficarei pasmado ...
E uns barquinhos dormem ... Que postal
Inglês, romântico na paz claustral...

Roseiras frágeis, enlaçadas, velam
Uma donzela em leitura calma,
Velhinhos, um caso, revivem alma
E amores, sós, em sonhos se desvelam ...

Uma aguarela assim é raridade!
Ó Caldas da Rainha! Ó cidade
De Leonor e de Malhoa e outros
Que na pedra e no barro e no papel
Que nome alevantarm, a tão alto!...
Grito, princesa de viçosos bens:
O Parque é um tesoiro que tu tens!"

Luis Rosa Bruno

[Edição do Autor. Composto e Impresso nas Oficinas Gráfcas de "O Riomaiorense", Rio Maior. MCMLVII. 80 Páginas numeradas + capas.]

Agradeço à Maria Edite Caldas Lopes a partilha desta bibliografia caldense.

6 comentários:

TeresaP disse...

Romântico!
Este Luis Rosa Bruno será o mesmo que nasceu no Redondo, poeta e matemático?

Luis Eme disse...

Cara Isabel,

deixo o meu e-mail (luismilhas@gmail.com), para me contactarem.

Estou a pensar em abrir novamente os comentários nas "viagens" a toda a gente.

Como tive alguns disabores ofensivos no "Casario" com os anónimos, condicionei os comentários...

TeresaP disse...

Isabel: Obrigada por este contacto!Estava mesmo a precisar dele!

Anónimo disse...

Isabel
Geralmente, certa poesia deixa-nos com um olhar vago, triste e incompreendido, mas este poema ilumina o cenario de uma forma contempladora, calma e cheia de cor, principalmente quando se coloca o ruido de criancas numa paisagem...
Tenho um ritual diario.....beber um cafe e espreitar avidamente o que a Isabel coloca durante a noite no sapatinho....Obrigado/Vitor Pires

Joana Bruno disse...

Sim, este Luís Rosa Bruno é esse mesmo! Afirma a sua filha mais nova Joana Bruno! Que está muito feliz ao ver poesia de seu PAI neste Vosso belo site e também referências do seu trabalho, descrições e comentários sobre a sua pessoa no lindo site do Externato Ramalho Ortigão - dos quais só tomei conhecimento agora!
O meu queridíssimo pai faleceu há sete anos "desterrado" na Marinha Grande, onde terminou a sua carreira e passou o resto da sua vida junto da sua família...
LUÍS ROSA BRUNO amou muito as Caldas da Rainha e a ela se entregou de corpo, alma e coração. Tendo percorrido Portugal a ensinar, o seu coração pertenceu sempre ao seu Alentejo e às Caldas da Rainha. Cidade que não o deve esquecer...
Deixo o meu e-mail: brunojoana@hotmail.com
e aguardo o contacto de quem queira conversar sobre o meu pai/ Caldas da Rainha, sobre a qual gostaria de partilhar mais poesias de meu pai.
Com os melhores cumprimentos,
Joana Bruno

Joana Bruno disse...

Adorei ver poesia do meu pai LUÍS ROSA BRUNO no Vosso "blogue" de grande qualidade e bom gosto...Gostaria de contactar a dª Mila Marques. Como posso fazê-lo? Deixo o meu e-mail: brunojoana@hotmail.com
Um abraço a todos os caldenses deste blogue que conheceram o meu pai...e parabéns por este Vosso excelente trabalho!
Cumprimentos da filha Joana Bruno