CAVACOS DAS CALDAS II

DICIONÁRIO GRÁFICO BORDALIANO

alguns livros, cerâmicas, belos gatos e algo mais...



sexta-feira, 10 de agosto de 2007

117.ª Página Caldense

A EXTREMADURA PORTUGUESA
ALBERTO PIMENTEL


XXIII

Caldas da Rainha


[...]"Antigamente era longa e fatigante a jornada para as Caldas, por maiores que fossem os recursos pecuniários dos seus frequentadores, entre os quais el-rei D. João V que treze vezes ali foi, ansioso de recobrar a saúde que tinha malbaratado.

Hoje, de Lisboa às Caldas da Rainha são, pela linha do este, viagem directa, apenas 109 kilómetros de caminho de ferro.
[...]
Mas D. João V foi treze vezes às Caldas em procura de saúde, que outros, mais felizes, ali tinham encontrado, D. João IV por exemplo, e que ele não encontrou.

Em 1747, por ocasião da undécima jornada, encarregou o brigadeiro Manuel da Maia de refundir imediatamente o hospital e a igreja.

Abriram-se minas, fizeram-se fontes, tanques, um aqueduto, cadeia, e novos paços do concelho, com relógio e sineira, que foram levantados na Praça – actual.

Dentro de três anos, à força de dinheiro, concluíram-se todas estas obras.

D. João V tinha presa de ver medrar a construção a que ligava o seu nome e que era hiperbolicamente aplaudida por quantos frades e freiras enxameavam em torno das termas das Caldas da Rainha.

As freiras deram ali brado. Em 1644 um fidalgo aventuroso, de parceria com quatro amigos igualmente audazes, tentara por fogo ao hospital para na confusão do incêndio raptar uma freira. Em 1651, D. João IV, escandalizado com as mundaneidades das freiras, ordenou que elas não fossem admitidas a tratamento. Em 1653, os abusos freiráticos não tinham diminuído, apesar daquela proibição, e o rei teve de renová-la. Mas os empenhos e rogos foram tais, que no mesmo ano D. João IV deu alguma elasticidade à proibição tolerando que várias religiosas fossem tratar-se nas Caldas.

Veio D. João V, vieram as muitas jornadas que este rei ali fez, e as freiras gozaram plena liberdade.

Pudera! O rei estava com a sua gente, e as freiras estavam com o seu rei… conquanto ele já não pudesse com uma gata pelo… manto real."

[Portugal Pittoresco e Illustrado - II - A Extremadura Portuguesa (Segunda Parte) - Região dos saloios e as suas zonas / As portas da Capital. Cidade de Lisboa. Entre Belem e Cascaes / da Outra Banda à enseda de Sines / Districto de Leiria. Empreza da História de Portugal, Sociedade Editora - Lisboa . Livraria Moderna, Rua Augusta 95, Lisboa - Typographia Rua Ivens, 45 -MDCCCCVIII.]

Ao Joaquim Saloio o meu agradecimento por mais esta partilha de informação.

Sem comentários: