Partilhando leituras

Livros sobre Caldas da Rainha, Rainha D. Leonor, Bordalo Pinheiro, caricaturas,

cerâmicas, gatos e algo mais...

quarta-feira, 1 de agosto de 2007

108.ª Página Caldense


A REVOLUÇÃO DE 14 DE MAIO
CESAR DA SILVA

[...]
"O caso das Caldas da Rainha é concludente. No dia 2 d'abril, após uma pomposa procissão do Senhor morto, deu-se uma briga na rua,entre beatos e livre pensadores, de que resultou a morte d'um d'aqueles.

Existia na vida, (sic) desde muito, uma profunda antipatia entre o grupo democrático, que tem por chefe o farmacêutico Maldonado Freitas, e os assalariados dos caciques evolucionistas, entre os quais avulta um toireiro amador bastante conhecido. Meses antes tinha sido o sr. Amandio de Carvalho, velho republicano, assaltado por uma turba de bandidos, que o maltrataram rudemente e lhe roubaram o dinheiro que levava.

Apesar de tudo, porém o que se passou após a referida briga, foi tão pasmoso, que chega a ser inacreditável. Um bando de sicarios, dirigindo-se para a residência do sr. Maldonado Freitas, assalta-lh'a. A vitima, que nada tivera com a desordem antecedente, busca defender-se e assim consegue salvar-se com a mulher e um filhinho, mas a malta, entrando-lhe em casa, despedaçou tudo. Os frascos da farmácia vieram para em cacos à rua; o mobiliário foi desfeito e as roupas convertidas em farrapos.

A pessoa que estas linhas escreve viu os estragos e ficou horrorrisada." [Pág. 14 e 15]

[Pág. 33 com a fotografia de Maldonado de Freitas]

=//=//=//=//=

"Rematamos este capítulo com a narração d'um facto sucedido na Amoreira, lugar próximo das Caldas da rainha, que prova bem como não se extingue com facilidade a sanha dos inimigos da República.

Vai fora da ordem cronológica o que pouco importa.

No dia 19 de maio uns quaisquer indivíduos praticaram a reprovável acção de entrarem de noite na igreja d'esse lugar, escangalhando algumas imagens. Supõe-se que nem fossem do sítio.

No dia seguinte, porém, os caciques monárquicos, incitando o povo contra os principais republicanos da terra , a pretexto de que tinham sido eles os autores do sacrilégio, fizeram com que a turba desvairada lhes assaltasse as residências, espatifando o mobiliário e roupas de três pobres famílias.

Foi a repetição do vandalismo praticado com o farmacêutico Maldonado Freitas, usando os assaltantes a mesma fúria destruidora.

E vem a propósito dizer que tinha havido toda a benevolência para com os criminosos do caso das Caldas. Cinco que estavam na cadeia, reconhecidos como principais autores da selvageria, foram postos em liberdade sem se lhes instaurar processo." [Pág. 99]


[Empresa Editora "O Recreio". Data de edição: 1915. Preço: 300 réis]

Os meus agradecimentos ao Comandante Loureiro de Sousa pela partilha desta fonte bibliográfica.

Sem comentários: