Partilhando leituras

Livros sobre Caldas da Rainha, Rainha D. Leonor, Bordalo Pinheiro, caricaturas,

cerâmicas, gatos e algo mais...

segunda-feira, 29 de setembro de 2008

313.ª Página Caldense

O ANTÓNIO MARIA, 15 DE JULHO DE 1880

Eça de Queiroz

(O seu último romance O Mandarim, em publicação no
Diário de Portugal)

"Graça, verve, fantasia, invensão, espiríto, observação, crítica, génio, tudo quanto é preciso para fazer maus artigos de fundo e admiráveis romances.

O António Maria aproveita-se das circunstâncias para anunciar o 9.º número do Album das Glórias que amanhã é posto à venda, convidando os coleccionadores a adquirirem o perfil do autor de Primo Bazílio. Se não se esgota a edição principiamos a descrer do reclame."

BUSTO DE EÇA DE QUEIROZ

Barro policromado, Rafael Bordalo Pinheiro, 1901

(Museu Rafel Bordalo Pinheito, postal s/d)

sexta-feira, 26 de setembro de 2008

312:ª Página Caldense

BORDALO PINHEIRO E UM GATINHO BRANCO

Carlos Constantino, um dos Constantinos, criou uma página na net. A meu ver, Constantino é actualmente um dos mais significativos caricaturista a trabalhar o barro. Saudamos a sua presença, linkada nas nossas páginas caldenses.
Bem vindo Carlos, e que surjam muitos mais "bonecos"!

Nota

Por não serem admitidos comentários anónimos,
a moderação de comentários foi activada.

quarta-feira, 24 de setembro de 2008

Café Literário

CONTOS PENSADOS E POEMAS SENTIDOS

JOÃO DIAS

Café literário, 21,30 Horas, Cheap n'Chic Café

Centro Cultural e de Congressos das Caldas da Rainha

domingo, 21 de setembro de 2008

311.ª Página Caldense


CALDAS DA RAINHA NO PRINCÍPIO DO SÉCULO: FOTOGRAFIAS DE ALFREDO PINTO (SACAVÉM)

HELENA GONÇALVES PINTO

"Alfredo Pinto (Sacavém) nasceu em Lisboa a 6 de Fevereiro de 1874 e faleceu a 24 de Janeiro de 1945, solteiro e sem deixar descendência. Foi o segundo filho de José Joaquim Pinto da Silva, 1.º Visconde de Sacavém, e da sua segunda mulher, D.ª Amélia Augusta da Silva Lima Pinto, casados em 2 de Fevereiro de 1873." [Pág. 13]

[Helena Gonçalves Pinto. Caldas da Rainha no princípio do século: Fotografias de Alfredo Pinto (Sacavém). Património Histórico. Guias e Albuns n.º 4. 500 Exemplares. 1.ª Edição, Maio de 1994.]

quinta-feira, 18 de setembro de 2008

310.ª Página Caldense

MAPA ILUSTRADO DO CONCELHO DAS CALDAS DA RAINHA

[Note-se a elegância e o ar desenvolto do saloio/Zé Povinho, indicativo da existência de louça regional.]

Dissertação sobre um mapa de 1955

(para Isabel Castanheira)

Descoberto por mero acaso num alfarrabista
Há neste mapa da minha terra, meu concelho
Uma saudade que chegou sem ser prevista
Na emoção nova por causa dum mapa velho

Hoje percorro com um olhar de novidade
As casas e as igrejas, o branco das estradas
Fábricas, moinhos e lagares são a verdade
Como coelhos, uvas e galinhas assustadas

Hortaliças, laranjas, perdizes, ovos e maçãs
Cal de fornos no poço com areia misturada
Destilação de aguardente todas as manhãs
Para nos matar o bicho de cada madrugada

Meu destino era ser competente navalheiro
Num fato de azul tão pontual e desbotado
Na oficina das palavras sou o mensageiro
A moer num lagar sem prensa nem telhado


José do Carmo Francisco

O meu mais sincero agradecimento ao José de Carmo Francisco, que me ofereceu, não só o mapa, como também o poema. É bom ter Amigos.

quarta-feira, 17 de setembro de 2008

309.ª Página Caldense




Hoje a alcoviteira, dedica-se à alcoviteirice, porque há muitas alcoviticess. Por isso, não há livros para ninguém. Entretanto, os gatos alcovitam nos telhados.


Esta Alcoviteira é uma peça de movimento da autoria de Bordalo Pinheiro, executada nas oficinas da Fábrica de Faianças das Caldas da Rainha. Balança a cabeça e o corpo. Será que este seu balancear, da esquerda para a direita, e/ou da direita para a esquerda é um gesto expresso de crítica pelo que vai vendo em seu redor ?...

segunda-feira, 15 de setembro de 2008

308.ª Página Caldense

O ANTÓNIO MARIA - A PARÓDIA
RAFAEL BORDALO PINHEIRO
ALFA

[...] O nome de Rafael seria suficiente para aliciar o público para os seus jornais, já que o artista emergia da mediocridade humoristica nacional, legando-nos uma obra da maior importância para a compreensão do seu tempo, de que é um cronista sem rival."[...] [Pág. 14]

[O António Maria * A Paródia - Rafael Bordalo Pinheiro. Selecção, organização e texto de: Maria Cândida Proença e António Pedro Manique. Publicações Alfa. Testemunhos Contemporâneos, 33. Lisboa, 1990.]

Os Gatos de Goya


FRANCISGO DE GOYA
GATOS RIÑENDO

[Museu do Prado, Madrid - Marcador]

domingo, 14 de setembro de 2008

307.ª Página Caldense

UM PARQUE PARA AS CALDAS
DULCE MARIA SANTA MARTA DE SOURE

[...] O lazer e o divertimento integram-se na estratégia terapêutica, como elemento complementar da acção hidrológica, esse é o dado novo que a segunda metade do século XVIII consagra. Nas termas caldenses, essa inovação traduziu-se na reserva de um espaço, provavelmente ajardinado, situado entre vinhas e pomares perto do Hospital, para passeio dos convalescentes.[..] [Pág. 16]

[Dulce Maria Santa Marta de Soure. Um Parque para as Caldas. PH - Património Histórico, Grupo de Estudos, Cadernos de História Local n.º 5.1.ª Edição, Setembro de 1883. Tiragem: 500 exemplares. ISBN 972-95508-08-3]

domingo, 7 de setembro de 2008

Poema a dedicar ao Leitor 15.000

Mar de Setembro

Tudo era claro:
céu, lábios, areias.
O mar estava perto,
fremente de espumas.
Corpos ou ondas:
iam, vinham, iam,
dóceis, leves - só
ritmo e brancura.
Felizes, cantam;
serenos, dormem;
despertos, amam,
exaltam o silêncio.
Tudo era claro,
jovem, alado.
O mar estava perto.
Purissímo. Doirado.

Eugénio de Andrade

[Poesia.Eugénio de Andrade.Edição Fundação Eugénio de Andrade. 2000.ISBN 972-8465-33-5]

306.ª Página Caldense

REDIGIR CORRECTAMENTE
RENATO ANDRÉ RAMOS (Padre)

[...] "Assustados, os mocinhos arrojavam ruidosamente as cadeiras ao levantatrem-se na maior desordem, quando o gato da Mimi, assanhado, se libertou da dona e se punha a fugir por cima das carteiras e a deixar tudo, atrás de si, no mais completo desalinho... Ao cair, atordoado, sobre a mesa do Francisco, o assustado felino estacou diante do pacífico rato branco... Por causa do susto, pois nunca tinha visto um rato com tal aspecto, ao gato arqueou-se-lhe o dorso e eriçaram-se os pelos por todo o corpo... Por uns segundos, o amedrontado felino ficou, ali, imóvel... estonteado... de olhos fitos no misterioso rato branco... O roedor, porém, muito à vontade, aproximou-se do felino e farejava... farejava...até que chegou o focinho dele ao nariz do adormecido gato... O bichano como que acordou, espantadíssimo, desatou numa corrida louca para a porta da sala, e, mal de apoiando nos degraus da escada, parecia voar até ao primeiro andar, para aí começar a fazer um estardalhaço dos dianhos...[...] [Pág. 74]

[Redigir Correctamente, Estudo através duma narrativa cheia de cenas imprevisíveis. Renato André Ramos, Pároco de Tornnada, Julho de 1997.]

sexta-feira, 5 de setembro de 2008

305.ª Página Caldense

O OBITO DE D. JOÃO II
RICARDO JORGE

"Na apreciação desta luta dramática entre rei e rainha, tem-se parcializado o voto de historiadores, como Braamcamp Freire e Costa Cabral. A justa admiração por D. João II leva-os a amesquinhar a D. Leonor; como que se remontam ao paço desse tempo, tomando partido pelo homem contra a mulher na dissensão domestico-politica. Não será mais justo endereçar a cada um o preito de apreço a que teem jus? - ele como um raro rei, ela como uma rara rainha, deixando ambos uma esteira de acções gloriosas e beneficas em proveito da sociedade portuguesa." [Pág. 40 e 41]

[O Obito de D. João II. Ricardo Jorge. Portugália Editora. 73, Rua do Carmo, 75. Lisboa, 1922.]

304.ª Página Caldense

Despedida de Verão: abalaram as andorinhas...

Azulejos da Fábrica de Faianças das Caldas da Rainha de Rafael Bordalo Pinheiro

[Fotografia de Margarida Araújo incluída na revista do Centro Cultural e de Congressos das CR, de Setembro / Outubro de 2008.]

quinta-feira, 4 de setembro de 2008

303.ª Página Caldense


PERFIL DE SALAZAR
LUIS TEIXEIRA

[Perfil de Salazar. Elementos para a história da sua vida e da sua época. Luiz Teixeira. Lisboa. 1938. Deste livro, edição do Autor, composto e impresso durante o mês de 1938 nas oficinas gráficas do Anuário Comercial, Praça dos Restauradores, 24, Lisboa, fez-se uma tiragem especial em "manchester ledger", numerada de 1 a 10]

302.ª Página Caldense


LISBOA E OS SEUS CRONISTAS
LUIZ TEIXEIRA

[Lisboa e os Seus Cronistas. Luiz Teixeira. Publicações Culturais da Câmara Municipal de Lisboa. 1943]

quarta-feira, 3 de setembro de 2008

Afinação Perfeita

O Gafanhoto, Abril de 1903

[O Gafanhoto, Quinzenário para Crianças. Directores: Henrique Lopes de Mendonça e Thomaz Bordallo Pinheiro. Rua Nova do Almada, 70 - 74 - Livraria Ferin, Lisboa.]