CAVACOS DAS CALDAS II

DICIONÁRIO GRÁFICO BORDALIANO

alguns livros, cerâmicas, belos gatos e algo mais...



domingo, 29 de abril de 2012

Deambulando por leiria

Um dia destes, por razões relacionadas com os meus desfazeres profissionais, fui a Leiria.

Num dia sem sol o castelo, lá longe e lá em cima, parecia um cenário de uma história de princesas.

A partir da Praça Rodrigues Lobo meti-me por aquelas ruelas estreitas, com pouca vida e de prédios modestos com ar de abandono. Lá fui andando e encontrando algumas fachadas forradas a azulejo, que fotografei.


Às tantas quase que tropecei num gato de fugiu esbaforido.

E assim andando cheguei ao pequeno largo fronteiro à Sé. Demasiadamente pequeno a permitir uma visão de conjunto da fachada altaneira.

Junto aos carros estacionados, dois ou três bancos corridos ofereciam poiso ao turista.

Assim fiz. Sentei-me e quando levantei o olhar e apanhei um susto!

Quem vejo eu mesmo à minha frente?

Sócrates!

E parecia mesmo que estava a olhar para mim, como que a pensar: O que andas tu a fazer aqui que estes são os meus domínios?

E eu a pensar que estava em Leiria e não em Saint Germain des Prés. Apanhei um susto, tanto mais que ele fingia estar a ler por um qualquer teleponto, pois não olhava para o livro, mas para mais além.


Receosa, levantei-me e preparei-me para abandonar zona.

E não é que dou de caras com o Padre Amaro a beijar a Amélia, ali à descarada?

Leiria que cidade surpreendente para passear…




2 comentários:

Isabel X disse...

O que me parece mais inacreditável é a aparição do gato! Ali mesmo a jeito para ti, Isabel!
Felizes incursões em Leiria, é o que te desejo!
- Isabel X -

Luis Eme disse...

que excelente crónica ilustrada. :)