Partilhando leituras

Livros sobre Caldas da Rainha, Rainha D. Leonor, Bordalo Pinheiro, caricaturas,

cerâmicas, gatos e algo mais...

domingo, 29 de junho de 2008

289.ª Página Caldense

Certidão de Óbito de
Maria Amélia Bordallo Pinheiro Lopes de Mendonça

"No primeiro dia do mez de Outubro de anno de mil novecentos e sete ás tres horas da tarde no Largo da Água Quente, número cinco d'esta freguesia de Nossa Senhora do Populo da villa e concelho da Caldas da Rainha diocese de Lisboa falleceu, sem sacramentos um individuo do sexo femenino por nome Dona Maria Amelia Bordallo Pinheiro Lopes de Mendonça: domestica, de cincoenta e dois annos d'idade, natural da freguezia de São João de Lisboa, parochiana da freguezia do Coração de Jesus, onde reside na Rua Castilho, número nove, rez do chão, e accidentalmente n'esta villa, casada com Henrique Lopes de Mendonça, capitão de fragata, e filha legitima de Manuel Maria Bordallo Pinheiro, da freguesia do Sacramento, e de Dona Augusta do O' Bordallo Pinheiro, da freguesia de São José, a qual não testou, deixou filhos e foi depositado no jazigo de José Agostinho da Silva, no cemitério publico d'esta villa. E para constar se lavrou este assento, que assigno. Era ut supra. O Prior, Constantino Augusto Sangreman Henriques."

O meu agradecimento ao Jaime Neves pela oferta deste documento.

quarta-feira, 25 de junho de 2008

Convite

JOSÉ RELVAS
O CONSPIRADOR CONTEMPLATIVO
ASSEMBLEIA DA REPUBLICA
26 de Junho de 2008
[Comissário: João B. Serra]

288.ª Página Caldense

UMA AVENTURA NA FOZ DO ARELHO

ANTÓNIO B. TAVARES


" - O que andam aqueles homens ali a fazer? - perguntou de súbito a Joana, esticando o braço na direcção de um grupo de indivíduos que, metidos na água e debruçados, pareciam apanhar qualquer coisa.

- Andam a apanhar algas - esclareceu o Nuno, que continuou, apontando para a água - São aquelas plantas de cor verde que vês ali à superfície . Também há algas a maior profundidade, só que essas têm cor acastanhada.

- E para que querem eles as algas?" [Página 24]

[Uma Aventura na Foz do Arelho. António B. Tavares. Edições Paulistas.Colecção Contos Maravilhosos, 2.ª Série. 1990. ISBN 972-30-0459-3]

287.ª Página Caldense

Modas e Confecções
José Bernardo de Souza - Especialidade em Vestidos
Praça do Loreto, 9 - 10
Costa & Sousa - Chiado 67 - Fábrica de Luvas
Lisboa

Será este documento uma factura?
Ou uma ficha de Cliente onde eram registados os artigos de iam a pouco sendo pagos ?
Face e verso, sendo a face ilustrada com um desenho da autoria de Rafael Bordalo Pinheiro. Sem data.

Agradeço a Alberto Simões a partilha deste desenho de índole publicitário/comercial.

sexta-feira, 20 de junho de 2008

Parabéns Ondjaki


Poema de Ondjaki no nosso livro de Autógrafos, 2004

O Grande Prémio de Conto "Camilo Castelo Branco" 2007 foi atribuído ao escritor angolano Ondjaki pelo seu livro "Os da Minha Rua". O prémio, no valor de cinco mil euros, é patrocinado pela Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão.

Lembrete


quarta-feira, 18 de junho de 2008

Rantamplam



Rantamplam, cansado de tanta actividade editorial e livreira, esconde-se entre os livros e conversa lá com a sua coleira: - "O que é que passa, que não percebo nada disto? Nem lendo todos os dias a Revista Ler, o Blogtailors, o Cadeirão Voltaire e o Pó dos Livros (e respectvos comentários), consigo compreender o que se passa ? Alguém que me explique? E o que mais me confunde é que por vezes se afirmam verdades, que eu que por cá ando já há algum tempo, não me tinha apercebido... Quanto aos comentários referentes ao comércio livreiro: alguns dos que escrevem fazem-no com conhecimento e experiência da realidade?"

Rantamplam, o cão (mais estúpido) do Oeste

terça-feira, 17 de junho de 2008

286.ª Página Caldense

LISBOA
ALFREDO MESQUITA

Interior d'um depósito de louça das Caldas
[Página 181]

"Os Alfacinhas

Raphael Bordallo Pinheiro, o trocista semi-philosopho, que tomou a seu cargo fazer á pena e a lápis, sobre a crusta amarela do papel autografo, o comentário risonho, e não raro cheio de bom senso,do seu tempo e da sua terra, querendo fixar em uma caricatura symbolica o feitio moral do nosso povo, no involucro ratão do seu feitio physico, creou o Zé Povinho.

Mas era preciso explica-lo, defini-lo, caracterisa-lo insuflar-lhe vida, e torna-lo immortal. E assimo fez o Álbum das Glorias pela penna alegre de João Ribaixo.

Segundo esta risonha biographia, não consta que jamais as graças da infancia se houvessem conservado por tão longo tempo num homem, como phenomenalmente se conservam na pessoa do Ze Povinho. Nelle concorrem em feliz conjunto todas as partes que nos enlevam e encantam no “bom menino”: casta inocência, temor de Deus, obediência a seus mestres, humildade, a santíssima ignorância. Aos carinhosos disvelos da sua extremosa mãe, a Carta, e do seu galhofeiro pae, o Parlamentarismo, se deve o estado miraculoso de infantilidade que tão vantajosamente recomenda Zé Povinho á sympathia e ao espanto de todo o mundo.

Ele começava apenas a ter-se nas pernas, cambadas pelos esforços feitos para se pôr em pé antes de tempo, quando os Poderes seus paes, pondo-o á porta das Instituições, na franca direção do olho da rua, lhe fizeram este memorável discurso:

-«Zézinho, vae passear." [...] [Páginas 496 a 503, várias referências] [sic]

[Portugal Pittoresco e Illustrado. Lisboa com quatrocentas gravuras. Compilação e estudo por Alfredo Mesquita. Lisboa. 1.ª Edição. Empreza da História de Portugal. Sociedade Editora. Livraria Moderna, Rua Augusta, 95. Typographia, Rua Ivens, 45/47. MDCCCCIII. Edição fracsimilada Arquimedes Livros / Julho de 2006. 80 Exemplares. ISBN 9728917244]

sábado, 14 de junho de 2008

Café Literário - 23 de Junho de 2008


Autor Convidado:

Mia Couto

Livro:

Venenos de Deus Remédios do Diabo

Local: Café Teatro, CCC - Centro Cultural de de Congressos

Horas: 21,30

“Mia Couto nasceu na Beira, Moçambique, em 1955. Foi jornalista. É professor, biólogo, escritor. Está traduzido em diversas línguas. Entre outros prémios e distinções (de que se destaca a nomeação por um júri criado para o efeito pela Feira Internacional do Livro do Zimbabwe, de Terra Sonâmbula como um dos doze melhores livros africanos do século XX) foi galardoado, pelo conjunto da sua já vasta obra, com o Prémio União Latina de Literaturas Românicas 2007. Ainda em 2007 foi distinguido com o Prémio Fundo Zaffari & Bourbon de Literatura pelo seu romance O Outro Pé da Sereia.”

Loja 107, partilhando leituras com a cidade

Café Literário - 20 de Junho de 2008

Convidados:

Pedro Tavares de Almeida – Professor de Sociologia Política
Luis Salgado de Matos – Professor de Sociologia Política, antigo assessor do Presidente da República
David Justino – Professor de História Económica, antigo Ministro da Educação, actual assessor do Presidente da República
João Serra – Historiador, antigo assessor do Presidente República

Apresentação dos Livros:
Democracia Partidos e Elites, de Maurizio Cotta
Os ensaios reunidos neste livro são dedicados tanto a análises específicas do caso italiano e dos seus intricados problemas, como a investigações comparativas mais amplas. Ma minha actividade de estudioso parece-me que tem sido útil tentar combinar estas duas perspectivas (…)
A diversidade dos temas aqui tratados tem como fio condutor o interesse em compreender melhor a relação entre a classe politica entendida não como uma abstracção, mas como uma realidade composta por indivíduos concretos) e as instituições da democracia.”



Duplo Movimento. Ensaios de História, de Raffaele Romanelli

“Os ensaios reunidos neste livro nasceram de uma indagação repetida, de uma série de prospecções sobre um mesmo objecto, a partir de ângulos diversos. Trata-se de pensar a construção do Estado e da nação e, portanto, do Estado nacional entre os séculos XIX e XX. Este tema afigura-se cada vez mais essencial para a historiográfica contemporânea […] São aqui analisados os “duplos movimentos” que ocorrem entre construção discursiva e realidade, tipos ideais e casos singulares, história e memória, centro e periferia.”
Local: Café Teatro, Centro Cultural e de Congressos das Caldas da Rainha
Horas: 21,30
Loja107, partilhando leituras coma cidade

sexta-feira, 13 de junho de 2008

O Intruso

Pillole di S. Antonio
Ilustração italiana da autoria de Luigi Bompard (?)

Este Santo António Italiano não vai em romarias, teme os resfriados ....

13 de Junho - Santo António

Ilustração de Stuart - 1930 Ilustração de Stuart - ABC - Revista Portuguesa, 1921
Ilustraçao de Stuart - Noite de Santo António
Canção dueto da Revista Gato por Lebre
Letra de Ed Schwalbach, Música de Alves Coelho
Os meus agradecimentos à Isabel Tomás por esta partilha de santos foliões.

quinta-feira, 12 de junho de 2008

A carta que Luiz Pacheco me escreveu



"Palmela, 5 de Abril de 1999
Dona Maria Isabel Castanheira - tenho aqui à m/ frente o Gil Vicente. Não é o do Pranto da Maria Parda, essa bêbada. Mas o gato da Loja 107 em foto, ao colo da Hélia Correia.
E aí está! - vou mandar-lhe daqui a dias, talvez ainda esta semana, um exemplar de Villa Celeste, uma edição minha. A Hélia falou-me na sua livraria, para um lançamento caldense. Já não sei onde fica a sua casa. Não é do meu tempo caldense, que vai de 1927 a 1968, + ou -. Morei na General Queiroz, na Bordallo Pinheiro, junto do Parque e na Estrada do Coto (?), casa dos Badejas. Nos anos 60 havia uma livraria na rua das Montras (o rapaz morreu, doença do coração) aí em 1966, 67. E uma livraria na Praça, que passou para a FRAMI (o - um dos, o Rogério - Caiado até é meu compadre).

Seja como for. Pela confiança que a Hélia Correia demonstrou com o Gil Vicente, creio que lhe será grato (além do mais) receber o livro e cooperar no lançamento. A Hélia disparou para o estrangeiro, em férias pascais, eu ainda não lhe disse nada, aqui fica o meu pedido. Mais: tenho nas Caldas umas dezenas de amigos. Um tinha. Morreram dois: o dr. António e o irmão, o dr. Custódio Maldonado Freitas (ainda conheci o velho Freitas, que me dava injecções de cálcio Sandoz no rabo).

A minha editora, Contraponto, vive de assinantes por todo o País. Apenas ponho (e poucos) livros em meia dúzia de livrarias (Lx, Coimbra, Porto).

E estou num LAR DE IDOSOS e sem forças para ir combater no Kosovo... Mas queria que o bonito livro da Hélia chegasse ao maior número possível de leitores. Ela (apenas a vi, aqui, e foi quando ela alvitrava o lançamento aí) pareceu-me tímida, acanhada, com exagerados escrúpulos de julgarem que se está a impingir. Isto é: de se parecer com algumas damas literatas (catatuas, lhes chamo) que se pavoneiam por todo o lado e estão em todas (a Dona Lídia Jorge por ex.). Não será o caso, mas há um mínimo de esforços a fazer para quebrar aquela barreira de silêncio que se instala por inércia nossa.
Os meus cumprimentos."
Luiz Pacheco

domingo, 8 de junho de 2008

A Lagoa nas Ruas da Cidade

O saco com o peixinho vermelho.

O ninho, a árvore e o barco.
A senhora fina com um colar diferente.
A tartaruga e a filha tartaruguinha passeam.
Ontem, sábado, a rua transfigurou-se. A lagoa (de Óbidos) invadiu a cidade.

"A Lagoa Portátil", uma exposição de escultura, cerâmica e instalação, iniciativa da Associação mar d'àgua, estendeu-se pelo empedrado chamando a atenção do passeante apressado.

O peixinho vermelho abria e fechava a boca de espanto...

A Associação mar d`água tem por finalidade proporcionar um maior conhecimente sobre a Lagoa de Óbidos, desenvolvendo actividades de animação e divulgação em torno da mesma.

Será Verdade?

Convite

Arquivo Distrital de Leiria
11 de Junho, 4.ª Feira, 18,00 horas
Unidade Nacional, Conflitos Regionais
As Exposições dos Centenários em Leiria e nas caldas em 1940
João B. Serra

Prémios Edição Ler / Booktailors


"É objectivo dos PE reconhecer, valorizar e comunicar as boas práticas e o profissionalismo existentes no sector editorial português."

Apoiamos esta iniciativa, divulgando-a e disponibilizando o espaço da nossa livraria para destacar as obras premiadas.

À disposição dos interessados, todas as informações sobre estes prémios, constam do link identificado à direita do nosso blog.

Felicitamos os promotores desta iniciativa, pelo seu contributo para a qualificação do mercado editorial. Gostamos de bons e belos livros.

Técnicas de Marketing

Aplicando as mais sofisticadas e modernas técnicas de marketing,
a personagem promove o livro.
Mas será admissível levar essa atitude até ao limite da paixão?

sábado, 7 de junho de 2008

Café Literário

CAFÉ LITERÁRIO

Dia 13 de Junho (sexta-feira)
Café Pópulos no Parque D. Carlos I
21,30 Horas
A apresentação do livro será feita pelo Dr. Mário Gonçalves

"Carvalhal ... e Peras, Viagens por memórias e paisagens"
de Agneta Bjorkman e Teresa Perdigão

A orquesta Ligeira Carvalhense dará um pequeno concerto.

Contamos consigo
Loja 107, partilhando leituras com a cidade

285.ª Página Caldense

DOMINGOS BROA
Ilustração dedicada à comemoração do Dia Internacional do Livro

terça-feira, 3 de junho de 2008

Imodéstia

Propostas Alternativas, Texto de Sara Figueiredo Costa

“Com a chegada de novas cadeias livreiras, como a Fnac ou, mais recentemente, a Byblos, e o desenvolvimento de outras já existentes, como a Bertrand ou a Bulhosa, o conceito de livraria expandiu-se, remetendo para algo mais complexo do que um local de venda de livros. A existência de cafés, espaços para exposições e pequenos auditórios capazes de acolherem espectáculos tornou-se regra e as excepções começam a ter sérios problemas no acompanhamento da concorrência.

Neste panorama de grande mudança, com os hipermercados a ganharem espaço na venda de livros e com as megas livrarias polivalentes a afirmarem de modo inequívoco a sua supremacia sobre as tradicionais livrarias de bairro e, até, sobre as livrarias históricas dos centros urbanos, outras posturas começam a definir-se no ramo livreiro, juntando-se, assim, aos projectos mais antigos que conseguiram resistir.

Livrarias como a 107, nas Caldas da Rainha, a Lello, no Porto, ou a Gil, em ponta Delgada, são bons exemplos com vários anos que souberam resistir à concorrência imposta pelos grandes grupos livreiros. Bem inseridas nos seus meios, oferecem um trabalho de rigor no quer toca à disponibilização de fundos editoriais e à procura de livros menos acessíveis. Sabem que livreiros com formação adequada e bom conhecimento de livros e autores são um dos segredos do negócio, a par com o serviço ao cliente, personalizado, capaz de aconselhar, se preciso for, em função de gostos e interesses. Tudo coisas complicadas nas grandes livrarias, mais dadas à rotatividade dos seus empregados e nem sempre capazes de acompanharem de um modo tão próximo como estes espaços quase familares.”

In: Os Meus Livros, Número 64, Ano 7, Junho de 2008

Café Literário

CAFÉ LITERÁRIO
Autor Convidado: JÚLIO MAGALHÃES
Livro: OS RETORNADOS. Um Amor nunca se Esquece.

Café Teatro, Centro Cultural e de Congressos - dia 6 de Junho, Sexta-feira - 21,30 Horas

Os Retornados, Um Amor Nunca se Esquece, é uma história de amor que tem como cenário os conturbados momentos finais de uma África Portuguesa.

loja107, partilhando leituras com a cidade

domingo, 1 de junho de 2008

Pausa



Após tanta animação só mesmo o descanso...

Gatos Literários - Dede Moser

Reportagem Fotográfica 5

Dia Mundial da Criança - Festa na Rua

As boas vindas

os desenhos e as pinturas

as pinturas faciais

os espectadores - Paulo Ferreira Borges e Ferreira da Silva
a ousadia do balão incógnito
a Marta e o seu belo cavalo

então, vai uma voltinha?

o ajuntamento

mais e mais desenhos

pequenotes aplicados

os balões voaram !!!
o final feliz.

Precisas de Crescer
Olhos grandes
de aprender
Olhar longe
querendo saber o que é
o mundo para além
dos dias aqui.
Asas de vento
solta o pensamento
pelo lado de lá
Mas "voltas" ao banco da escola
para aprender
Precisas crescer!...
(Poema oferecido por Belmira Alves Besuga no Dia Mundial da Criança, 2008)